Premium Novos pedidos de insolvência a caminho da caixa de correio do Sporting

Vários empresários preparam-se para seguir o exemplo de José Fouto, que reclama 2,8 M€ de verbas em atraso.

Há mais cartas para pedidos de insolvência prestes a entrar na caixa de correio da Sporting, SAD.

Ao que O JOGO apurou, várias empresas de agenciamento - e não só - preparam-se para reclamar junto da sociedade que administra o futebol leonino valores respeitantes a comissões pelas transferências de diversos atletas, como por exemplo referentes a Acuña, Mathieu, Viviano, Castaignos, Elias, Wendel ou André Pinto, entre outros.

Agentes que têm vindo a efetuar negócios com o emblema de Alvalade admitem seguir as pisadas de José Fouto, que, através da empresa da qual é proprietário, a Socas Investiment, Lda, interpôs a 20 de dezembro um pedido de insolvência da Sporting, SAD, reclamando uma dívida de 2,8 milhões de euros, referente a custos de intermediação dos negócios de Nani, Piccini e William Carvalho.

Sabe o nosso jornal que a SAD liderada por Frederico Varandas tem vindo a ser confrontada com os atrasos de pagamento das verbas de intermediação a diversos agentes, sendo que alguns deles já estão mesmo a perder a paciência pelo incumprimento dos prazos de liquidação da dívida, mesmo depois de terem sido acordados planos de pagamento. Em alguns dos casos, a dificuldade de comunicação com os dirigentes leoninos tem acentuado o clima de crispação entre quem administra a sociedade verde e branca e os credores, que têm vindo a ser "sensibilizados" para o delicado momento financeiro que atravessa. Importa recordar que esta situação se insere no total de 19,3 M€ que os verdes e brancos devem a empresários, a qual vence dentro de um ano. Esta cifra eleva-se para os cerca de 47,2 M€ de dívidas a fornecedores, entre os quais se contam clubes aos quais o Sporting adquiriu atletas, e que objetivamente condicionam a ação leonina no mercado de transferências, estando a SAD necessitada de receitas extraordinárias para fazer face às dificuldades financeiras.

MGRA atira-se a Frederico Varandas

Além dos pedidos que podem chegar em breve à SAD por parte de agentes, também outros fornecedores preparam-se para seguir o mesmo caminho, como foi o caso mais recente da sociedade de advogados MGRA, que avançou a 30 de dezembro com uma ação judicial contra a Sporting, SAD, o presidente Frederico Varandas e a auditora Baker Tilly. O valor da ação que deu entrada no Tribunal da Comarca de Lisboa ascende a 335 mil euros. Diga-se que parte do valor pedido, segundo o "Expresso", decorre das conclusões de uma auditoria que a Baker Tilly fez à gestão do ex-presidente Bruno de Carvalho, em que revelou os gastos com vários fornecedores, incluindo a MGRA. O atual presidente do Sporting, Frederico Varandas, usou esses elementos para criticar, no início deste ano, os gastos que o seu antecessor aprovou com dita sociedade.

Bryan Ruiz, a primeira reclamação

Em outubro de 2018, uma empresa especializada na recuperação de créditos pediu a insolvência da SAD, alegando uma dívida de mais de 500 mil euros. A primeira ação deste género a implicar jogadores profissionais ocorreu em agosto passado, quando a Image Rights denunciou a dívida que a sociedade leonina tinha para consigo de 125 mil euros. Em causa estava o pagamento de direitos de imagem de Bryan Ruiz. O processo foi contestado pelo Sporting e depois alvo de negociação entre as partes.

https://www.ojogo.pt/futebol/1a-liga/sporting/noticias/novos-pedidos-de-insolvencia-batem-a-porta-do-sporting-11743615.html?target=conteudo_fechado

É premium, mas aparece a noticia inteira.