Ir para conteúdo
Ticampos

Politica Internacional ❤ SAVE UKRAINE ❤ STOP BOMBING NOW!

Publicações recomendadas

Em quantas doenças vai o Putin? Não é patologia, é imperialismo. 

Compartilhar este post


Link para o post

Um jovem de 18 anos entrou num supermercado armado e disparou, matando 10 pessoas em Buffalo, NY. Transmitiu em direto pela net.

As motivações são claramente raciais. Falamos de um jovem supremacista branco, que é defensor da teoria conspirativas do "white replacement". Tem Tucker Carlson como referência.

Ja li que no ano passado foi apanhado a preparar um ataque a sua escola e teve acompanhamento psicológico desde aí.

Compartilhar este post


Link para o post
Citação de Axadrezado, há 1 hora:

Em certos pontos até está a recuar.
Se esta guerra, perdão, operação militar especial, já foi um tiro no pé, atacar algo da NATO (ou quase) era um tiro na cabeça.

Eu não tenho tantas certezas que os recuos sejam assim tão grandes. 

Em Kharkiv aparentemente sim mas a sul a coisa está lenta mas a avançar.

Compartilhar este post


Link para o post

CNN)In a rare showing of public unity, Senate Majority Leader Chuck Schumer and Republican Leader Mitch McConnell took to the Senate floor to press for quick passage of a $40 billion aid bill for Ukraine but were blocked by GOP Sen. Rand Paul of Kentucky who is demanding changes to the legislation.

...

McConnell and Schumer on Thursday offered to allow a vote on Paul's amendment, but he insisted it be added to the underlying bill.

The change Paul is seeking would create a special inspector general to oversee how the Ukraine military aid is spent. Members from both parties broadly agree with that notion, but forcing a change to the bill at this stage would be very time consuming and would slow getting the needed aid to Ukraine.

"The package is ready to go," Schumer said. "The vast majority of senators on both sides of the aisle want it. There's now only one thing holding us back the junior senator from Kentucky is preventing swift passage of Ukraine aid because he wants to add at the last minute his own changes directly into the bill. His change is strongly opposed by many members of both parties."

...

"My oath of office is the US constitution not to any foreign nation and no matter how sympathetic the cause, my oath of office is to the national security of the United States of America," Paul said in his remarks before objecting to moving to swift passage of the bill. "We cannot save Ukraine by dooming the US economy."

https://edition.cnn.com/2022/05/12/politics/rand-paul-blocks-ukraine-aid/index.html

“We cannot save Ukraine, by dooming the US economy,” he said. “This is the second spending bill for Ukraine in two months and this bill is three times larger than the first.”

“If this gift to Ukraine passes, our total aid to Ukraine almost equal the entire military budget of Russia,” he said. “And it’s not as if we have that money lying around. We will have to borrow that money from China to send to Ukraine.”

https://www.independent.co.uk/news/world/americas/us-politics/rand-paul-block-aid-ukraine-b2077978.html

Compartilhar este post


Link para o post

Estonia's leader takes thinly-veiled swipe at Macron for calling Putin all the time

Estonian leader Kaja Kalls appeared to attack Emmanuel Macron for calling Putin all the time.

Macron has spoken to Putin more than any other Western leader since Russia invaded Ukraine.

"Why talk to him? He's a war criminal," Kallas said Friday.

https://www.businessinsider.com/estonia-leader-appears-slam-macron-calling-putin-twice-week-2022-5?utm_source=feedly&utm_medium=webfeeds

BRUSSELS, May 16 (Reuters) - Russia's invasion of Ukraine and the resulting surge in energy and commodity prices will slash euro zone economic growth this year and next, while boosting inflation to record levels, the European Commission forecast on Monday.

Reporting by Jan Strupczewski; Editing by Toby Chopra

https://www.reuters.com/world/europe/eu-commission-cut-2022-euro-zone-growth-forecast-27-ft-2022-05-16/

The UK is threatening to scrap Northern Ireland’s post-Brexit rules — stoking fears of a trade war

U.K. Prime Minister Boris Johnson on Monday will travel to Belfast in a bid to deescalate tensions over the Northern Ireland protocol.

The deal came into force in January last year having been designed to avoid the need for a hard border between Northern Ireland and Ireland, which remains part of the EU.

Johnson — despite renegotiating and signing up to the protocol — is considering whether to make changes to the deal, a move which would risk retaliation from the EU and potentially kickstart a trade war.

https://www.cnbc.com/2022/05/16/northern-ireland-protocol-uk-threatens-to-scrap-parts-of-brexit-deal.html?__source=iosappshare|com.apple.UIKit.activity.CopyToPasteboard

Canada, Mexico brace for influx of Americans seeking abortions

Activists in Mexico and Canada are already preparing for a possible influx of Americans crossing the border to seek abortion access if Roe v. Wade is overturned.

In Mexico, which has historically provided cheap access to healthcare for Americans living in the borderlands, activists say they have already seen a surge in women coming from Texas to seek access to abortions pills. 

https://thehill.com/policy/healthcare/3487998-canada-mexico-brace-for-influx-of-americans-seeking-abortions/

Compartilhar este post


Link para o post
Citação de Che, há 2 minutos:

Estonia's leader takes thinly-veiled swipe at Macron for calling Putin all the time

Estonian leader Kaja Kalls appeared to attack Emmanuel Macron for calling Putin all the time.

Macron has spoken to Putin more than any other Western leader since Russia invaded Ukraine.

"Why talk to him? He's a war criminal," Kallas said Friday.

o Little Finger ensina ao Estónio:

976ee9eead916b0ccd6b3b88bf2be3a8--petyr-

 

Se bem que no leste parece haver uma sanha warhawke. 

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post

Novo texto do Slavoj Zizek, desta vez sobre a guerra e o impacto sobre a economia, como o capitalismo poderá ser transformado através do boicote do gás, o comunismo de guerra poderá ser inevitável, etc.

Vou colocar um trecho que achei interessante.

Heroes of the Apocalypse

APRÈS LE DÉLUGE

In French, the gap between what we officially fear and what we really fear is nicely rendered by the so-called ne explétif, a “no” that carries no meaning on its own because it is used only for reasons of syntax or pronunciation. It mostly occurs in subjunctive subordinate clauses following verbs with negative connotation (to fear, to avoid, to doubt); its function is to emphasize the negative aspect of what came before it, as in: “Elle doute qu’il ne vienne.” (“She doubts he’s /not/ coming”), or “Je te fais confiance à moins que tu ne me mentes.” (“I trust you unless you /don’t/ lie to me”).

Jacques Lacan used the ne explétif to explain the difference between a wish and a desire. When I say, “I am afraid the storm will /not/ come,” my conscious wish is that it will not come, but my true desire is inscribed onto the added “no”: I am afraid the storm will not come, because I am secretly fascinated by its violence.

Something like the ne explétif also applies to European fears regarding the cessation of Russian gas deliveries. “We are afraid that the interruption of the gas supply will cause an economic catastrophe,” we say. But what if our stated fear is fake? What if we are really afraid that an interruption of the gas supply would not cause a catastrophe? As Eric Santner of the University of Chicago recently put it to me, what would it mean if we could quickly adapt? Ending Russian gas imports would not inaugurate the end of capitalism, but “it would nonetheless force a real shift in the ‘European’ way of life,” a shift that would be most welcome irrespective of Russia.

To read the ne explétif literally, acting upon the “no” is perhaps the most genuine political act of freedom today. Consider the claim, propagated by the Kremlin, that stopping Russian gas would be tantamount to economic suicide. Given what must be done to put our societies on a more sustainable path, would that not be liberating? To paraphrase Kurt Vonnegut, we will have avoided going down in history as the first society that didn’t save itself because doing so wasn’t cost effective.

WHOSE GLOBALIZATION?

The Western media are full of reporting on the billions of dollars that have been sent to Ukraine; yet Russia is still receiving tens of billions of dollars for the gas it delivers to Europe. What Europe refuses to consider is that it could exert an extraordinarily powerful form of non-military pressure on Russia while also doing much for the planet. Moreover, to renounce Russian gas would allow for a different kind of globalization – a sorely needed alternative to both the Western liberal-capitalist variety and the Russian-Chinese authoritarian brand.

Russia does not only want to dismantle Europe. It is also presenting itself as an ally of the developing world against Western neocolonialism. Russian propaganda ably exploits many developing and middle-income countries’ bitter memories of Western abuses. Was the bombing of Iraq not worse than the bombing of Kyiv? Was Mosul not flattened as ruthlessly as Mariupol? Of course, while the Kremlin presents Russia as an agent of decolonization, it lavishes military support on local dictators in Syria, the Central African Republic, and elsewhere.

The activities of the Kremlin’s mercenary organization, the Wagner Group, which is deployed on behalf of authoritarian regimes around the world, offer a glimpse of what Russian-style globalization would look like. As Yevgeny Prigozhin, the Putin crony behind the group, recently said to a Western journalist: “You are a dying Western civilization that considers Russians, Malians, Central Africans, Cubans, Nicaraguans, and many other peoples and countries to be Third World scum. You are a pathetic endangered bunch of perverts, and there are many of us, billions of us. And victory will be ours!” When Ukraine proudly declares that it defends Europe, Russia responds that it will defend all of Europe’s past and present victims.

We should not underestimate the effectiveness of this propaganda. In Serbia, the latest opinion polls show that, for the first time, a majority of voters now oppose accession to the European Union. If Europe wants to win the new ideological war, it will have to alter its model of liberal-capitalist globalization. Anything short of radical change will fail, turning the EU into a fortress surrounded by enemies that are determined to penetrate and destroy it.

I am well aware of the implications of boycotting Russian gas. It would entail what I have repeatedly referred to as “war communism.” Our entire economies would have to be reorganized, as in the case of a full-blown war or similarly large-scale disaster. This is not as far away as it may seem. Cooking oil is already being informally rationed by shops in the United Kingdom because of the war. If Europe renounces Russian gas, survival will demand similar interventions. Russia is counting on Europe’s inability to do anything “heroic.”

True, such changes would heighten the risk of corruption and provide opportunities for the military-industrial complex to grab extra profits. But these risks must be weighed against the larger stakes, which go well beyond the war in Ukraine.

https://www.project-syndicate.org/onpoint/european-response-to-ukraine-war-test-for-climate-other-crises-by-slavoj-zizek-2022-05

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post

@Che preferia a tua gimmick de postar uma frasezeca de duas linhas, algo quimérica e esotérica que ninguem percebia muito bem.

Este Che informador, meh, é muito mainstream.

Não mudes o que és por causa dos haters!

  • Concordo! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Publicado (editado)
Citação de IlidioMA, há 35 minutos:

o Little Finger ensina ao Estónio:

976ee9eead916b0ccd6b3b88bf2be3a8--petyr-

 

Se bem que no leste parece haver uma sanha warhawke. 

Para os bálticos e Polónia a NATO já tinha entrado por ali a dentro. Talvez Kaliningrado e a história o explique. 

Agora é preciso negociar, sempre. Mesmo quando se inunda a Ucrânia de armas. Do meu ponto de vista, deve-se pretender que a Russia esteja enfraquecida mas é verdade que não se pode deixar a Russia sem saida, mesmo sem Putin. Alias, sem Putin ainda é mais preciso deixar uma saida para a Russia e um braço estendido porque não sabemos o que viria depois.

Até porque convém limitar ao máximo possível a influência chinesa no futuro do Kremlin. Pode parecer uma tarefa perdida e inutil mas tem de ser tentado.

Editado por SAS_Robben

Compartilhar este post


Link para o post

Espero que a união europeia desenhe já uma proposta de rendimento básico universal que atenue os impactos da inflação dos cidadãos europeus. 

Não temos que pagar pelos outros. 

Compartilhar este post


Link para o post
Publicado (editado)

Vi ontem. Já que se falou tanto do Mearsheimer no início disto, pode interessar a alguém

Editado por SAS_Robben

Compartilhar este post


Link para o post
Citação de SAS_Robben, há 3 minutos:

Para os bálticos e Polónia a NATO já tinha entrado por ali a dentro. Talvez Kaliningrado e a história o explique. 

Agora é preciso negociar, sempre. Mesmo quando se inunda a Ucrânia de armas. Do meu ponto de vista, deve-se pretender que a Russia esteja enfraquecida mas é verdade que não se pode deixar a Russia sem saida, mesmo sem Putin. Alias, sem Putin ainda é mais preciso deixar uma saida para a Russia e um braço estendido porque não sabemos o que viria depois.

Até porque convém limitar ao máximo possível a influência chinesa no futuro do Kremlin. Pode parecer uma tarefa perdida e inutil mas tem de ser tentado.

A malta de leste, secretamente - ou já nem isso -, tem vantagem com esta guerra. Várias, até. Primeiro põe o foco da Europa na sua zona. Num ápice a Polónia, a ovelha negra da familia Europeia, passou a ser um país mais importante no xadrez europeu que uma Espanha. Até a Hungria já não são assim tão maus. E o foco passou para lá. E foco quer dizer dinheiro.

Depois eles vivem com o medo da Rússia - e com razão - e enquanto a Russia está na Ucrania, não pensa noutras frentes. Sendo cínicio, se a guerra na Ucrania durasse neste quase low level uns 10 anos, seriam 10 anos que a Estónia não teria de se preocupar com uma invasão russa.

Depois, uma invasão prolongada, custosa e desastrosa na Ucrânia serve também para refrear a fome da Rússia por invasões futuras. Até aqui o Putin tinha tido Ossétia e Crimeia. Sucessos retumbantes em menos de duas semanas. Estava inchado como um pavão - se calhar é linfoma... - e ser arrastado para uma guerra de meses, custosa e desastrosa, vai fazê-lo pensar duas vezes antes de invadir outros países do leste Europeu.

 

Eu percebo inteiramente a sua posição. Até porque essa posição é importante para a nossa posição global enquanto Europa.

 

Mas não podem ser talibãs do anti-Rússia como quase querem ser. Ou seja, a esta altura já se percebeu que nem a Rússia pode ganhar a guerra, nem a Ucrânia. Este empate técnico com a Rússia a avançar a passo de caracol, e a Ucrânia a repelir ataques está para durar. E este 'durar' pode significar anos. À Europa mais ocidental, não interessa essa perspectiva de anos de guerra. Ter uma Síria aqui ao pé.

E a sítuação do terreno diz-nos que quer queiramos ou não, vai haver uma Rússia após esta guerra. Vai haver uma Rússia com Putin, após a guerra. E nós vivemos no mesmo continente que eles. Vai ter de haver um convívio entre a UE a Rússia. Tem de haver linhas de comunicação aberta. Tem de se oferecer à Rússia uma saída. Até porque aquele dizer que inundou as nossas redes sociais nas últimas semanas é verdade de forma ambivalente. "Se a Rússia parar de lutar, acaba a Guerra; se a Ucrânia parar de lutar, acaba a Ucrânia". As pessoas têm se concentrado apenas na segunda parte. Mas a primeira também é verdade. E temos de arranjar maneira de conseguir a que a Russia páre de lutar. As sanções têm um efeito limitado. No terreno também não vamos causar uma derrota da Rússia. Tem de ser pela via diplomática, por muito que nos custe ter de falar com o carniceiro.

  • Like 4
  • Concordo! 4

Compartilhar este post


Link para o post
Publicado (editado)
Citação de IlidioMA, há 6 minutos:

A malta de leste, secretamente - ou já nem isso -, tem vantagem com esta guerra. Várias, até. Primeiro põe o foco da Europa na sua zona. Num ápice a Polónia, a ovelha negra da familia Europeia, passou a ser um país mais importante no xadrez europeu que uma Espanha. Até a Hungria já não são assim tão maus. E o foco passou para lá. E foco quer dizer dinheiro.

Depois eles vivem com o medo da Rússia - e com razão - e enquanto a Russia está na Ucrania, não pensa noutras frentes. Sendo cínicio, se a guerra na Ucrania durasse neste quase low level uns 10 anos, seriam 10 anos que a Estónia não teria de se preocupar com uma invasão russa.

Depois, uma invasão prolongada, custosa e desastrosa na Ucrânia serve também para refrear a fome da Rússia por invasões futuras. Até aqui o Putin tinha tido Ossétia e Crimeia. Sucessos retumbantes em menos de duas semanas. Estava inchado como um pavão - se calhar é linfoma... - e ser arrastado para uma guerra de meses, custosa e desastrosa, vai fazê-lo pensar duas vezes antes de invadir outros países do leste Europeu.

 

Eu percebo inteiramente a sua posição. Até porque essa posição é importante para a nossa posição global enquanto Europa.

 

Mas não podem ser talibãs do anti-Rússia como quase querem ser. Ou seja, a esta altura já se percebeu que nem a Rússia pode ganhar a guerra, nem a Ucrânia. Este empate técnico com a Rússia a avançar a passo de caracol, e a Ucrânia a repelir ataques está para durar. E este 'durar' pode significar anos. À Europa mais ocidental, não interessa essa perspectiva de anos de guerra. Ter uma Síria aqui ao pé.

E a sítuação do terreno diz-nos que quer queiramos ou não, vai haver uma Rússia após esta guerra. Vai haver uma Rússia com Putin, após a guerra. E nós vivemos no mesmo continente que eles. Vai ter de haver um convívio entre a UE a Rússia. Tem de haver linhas de comunicação aberta. Tem de se oferecer à Rússia uma saída. Até porque aquele dizer que inundou as nossas redes sociais nas últimas semanas é verdade de forma ambivalente. "Se a Rússia parar de lutar, acaba a Guerra; se a Ucrânia parar de lutar, acaba a Ucrânia". As pessoas têm se concentrado apenas na segunda parte. Mas a primeira também é verdade. E temos de arranjar maneira de conseguir a que a Russia páre de lutar. As sanções têm um efeito limitado. No terreno também não vamos causar uma derrota da Rússia. Tem de ser pela via diplomática, por muito que nos custe ter de falar com o carniceiro.

100% de acordo.

Adicionaria também que qualquer tentativa de desintegrar a Federação Russa é perigosa. Muito perigosa.

É um facto que existem republicas da Federação que poderão ter legitimidade para procurar a independência e autodeterminação mas os perigos do nascimento de republicas naquela zona do globo pode ser muitos.

É uma posição de m*rda mas não vejo vantagem para ninguém no fim da Federação Russa.

Editado por SAS_Robben

Compartilhar este post


Link para o post
Publicado (editado)
Citação de SAS_Robben, há 22 minutos:

100% de acordo.

Adicionaria também que qualquer tentativa de desintegrar a Federação Russa é perigosa. Muito perigosa.

É um facto que existem republicas da Federação que poderão ter legitimidade para procurar a independência e autodeterminação mas os perigos do nascimento de republicas naquela zona do globo pode ser muitos.

É uma posição de m*rda mas não vejo vantagem para ninguém no fim da Federação Russa.

essa conversa é mesmo já loucura e nem sei que loucos a alimentam.

Mas esses loucos certamente não sabem que em praticamente todas as Republicas autónomas russas a etnia titular não forma uma maioria assinalável. A Chechénia é caso isolado, onde 95% da população são Chechenos. Nas demais ou há uma maioria ténue de  no máximo 60% ou muitas vezes a etnia titular forma apenas 20% da população. Os russos constituem a maioria nesses sítios já. As independências que daí surgissem seriam artificial e plenamente problemáticas, com guerras civis e massacres inter-etnicos.

Nem se fale disso! Quem era para ser independente já o foi em 1991

Editado por IlidioMA
  • Like 3
  • Concordo! 1

Compartilhar este post


Link para o post

A India decidiu proibir a exportação do trigo, motivada pela seca. O trigo já aumentou cerca de 60% o preço desde o incio da guerra e esta proibição da India vai fazer o preço aumentar ainda mais.

Uma tempestade perfeita a caminho.

Entretanto a Suécia confirmou também o pedido de adesão à NATO.

Compartilhar este post


Link para o post
Citação de SAS_Robben, há 6 horas:

Vi ontem. Já que se falou tanto do Mearsheimer no início disto, pode interessar a alguém

não correu lá muito bem

Spoiler

para quem defendia a moção.

 

Compartilhar este post


Link para o post
Citação de SAS_Robben, há 2 horas:

 

Se calhar o Erdogan já lhe disse que vai votar, e agora está a passar a imagem de Good Guy

Compartilhar este post


Link para o post
Citação de Plagio o Original, há 2 minutos:

Quem?

Não sei se vai resultar amigo, o @IlidioMA é f*dido

  • Concordo! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Citação de Solero, há 12 minutos:

Não sei se vai resultar amigo, o @IlidioMA é f*dido

Se não funcionou a culpa é tua, pato

Podiamos ter tido um momento hilariante

  • Concordo! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Citação de IlidioMA, há 7 horas:

essa conversa é mesmo já loucura e nem sei que loucos a alimentam.

Mas esses loucos certamente não sabem que em praticamente todas as Republicas autónomas russas a etnia titular não forma uma maioria assinalável. A Chechénia é caso isolado, onde 95% da população são Chechenos. Nas demais ou há uma maioria ténue de  no máximo 60% ou muitas vezes a etnia titular forma apenas 20% da população. Os russos constituem a maioria nesses sítios já. As independências que daí surgissem seriam artificial e plenamente problemáticas, com guerras civis e massacres inter-etnicos.

Nem se fale disso! Quem era para ser independente já o foi em 1991

Ainda tens algumas, mas são daquelas que se vão tornar novos -istões, como Tuva ou a Inguchétia.

Depois tens o Dagestão, que não tem Russos quase nenhuns mas tem umas 15 etnias diferentes que nunca se iriam aceitar.

Compartilhar este post


Link para o post
Citação de Cannonball, há 14 minutos:

Ainda tens algumas, mas são daquelas que se vão tornar novos -istões, como Tuva ou a Inguchétia.

Depois tens o Dagestão, que não tem Russos quase nenhuns mas tem umas 15 etnias diferentes que nunca se iriam aceitar.

É só meter o Khabib a Presidente e eles unem-se todos. 

Compartilhar este post


Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisa de ser membro desta comunidade para poder comentar

Criar uma conta

Registe-se na nossa comunidade. É fácil!

Criar nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Autentique-se agora

×
×
  • Criar Novo...