Ir para conteúdo

me_and_no_more_

Membro da Comunidade
  • Total de itens

    1.082
  • Registo em

  • Última visita

  • Pontos

    774 [ Doar pontos ]

Sobre me_and_no_more_

  • Data de Nascimento 07-05-1992

Informação de perfil

  • Sexo
    Masculino

Últimos Visitantes

975 visualizações
  1. Eu tenho range extender em casa e o que ele me permitiu foi ganhar uns 5m de rede porque se o colocasse numa divisão diferente do router a internet que ele propagava era muito muito ma. Eles têm um range de WiFi inferior ao router e precisam de receber um sinal quase no maximo para transmitir algo de jeito. Tendo em conta estas duas coisas acho que são praticamente inúteis. Pelo menos os dois que comprei, um da Xiaomi e outro da TP link, foram. Quanto ao parecer óbvio, limitei-me a partilhar a minha experiência/conhecimento já que o Dillaz pediu ajuda Isto é uma boa ideia, era o meu plano B caso a Powerline não desse. A configuração disso não tem nada que saber: puxas a rede de um router para o outro e fica a funcionar. Precisas é de um cabo grande.
  2. Imagina que tens o router na sala. Nessa divisão tens sinal máximo e velocidade máxima. Começas a andar para o quarto e vais perdendo sinal e por conseguinte velocidade. Se metes esse adaptador no quarto o que tu vais ter é uma extensão da ma internet que tens no quarto. Isso só resolve algo se colocares num local onde tenhas cobertura WiFi quase máxima e, em princípio, nesses sítios não precisas de aumentar a tua cobertura WiFi - porque o sinal do router também lá chega. É por isso que digo que isso dificilmente resolve o problema.
  3. Esses range extender acabam muitas vezes por não resolver o problema porque o que eles fazem é pegar no sinal que apanham em determinada zona da casa e amplifica-lo. Neste processo de captar sinal wi-fi e depois transmiti-lo perdes imensa qualidade e velocidade de internet. Eu uso uma solução como esta https://www.worten.pt/smarthome-e-redes/redes/powerlines/powelinetp-link-tl-wpa4226-kit-av500-n300-passthrough-5316940?gclid=Cj0KCQiAqo3-BRDoARIsAE5vnaLGeMturIWQPTKXakzOK_0eGEvkaDzKUzQ73baO18fxaW-O4dkm_YMaAuQYEALw_wcB . A nível de preço é uma diferença grande ainda mas funciona muito bem a passar-me a ligação entre dois andares.
  4. Começo a ter um certo "ódio" ao Gabriel como tive a muitos poucos jogadores no Benfica. O gajo acha que é o Pirlo e depois tem a qualidade de passe do Fernando Aguiar. Culpa também dos treinadores que lhe dão esta liberdade quando o homem claramente está sem confiança para estes passes a rasgar.
  5. O Weigl no critério de passe na primeira fase de construção é muito bom. E não são só passes para o lado. Falta-lhe um bocadinho de músculo, acho que é a principal lacuna. Porque eu até o vejo a correr bastante atrás da bola.
  6. Não sei mas diria que deve ser algo permanente para quem tiver plus e PS5.
  7. Não tenho experiência nenhuma com GamePass e o PSNow só tive um mês que era de borla. Para mim nenhum faz grande sentido, nunca na vida tenho tempo para jogar a quantidade de jogos que é oferecida, por isso prefiro ir aproveitando promoções e alguns dos jogos da PSPlus. Mas pelo que li por alto, o GamePass é melhor e permite partilha de biblioteca entre PC e consola - só que não vais ter os exclusivos da Playstation que habitualmente são de alta qualidade.
  8. Na PS5 para quem tem PSPlus recebe logo o que eles chamam de Playstation Plus Collection e continuarão a receber jogos mensalmente. Essa coleção é bem interessante, está cheio de jogos AAA da PS4 que vão ter compatibilidade com a PS5.
  9. PSNow é semelhante ao GamePass - permite-te ter acesso a uma lista de jogos que podes tanto jogar em stream como fazer download e jogar a partir da consola. PSPlus é um serviço já mais antigo que é obrigatório para jogar online e que te oferece 2-3 jogos por mês que podes usar para sempre (adicionando à biblioteca todos os meses) desde que tenhas o PSPlus activo. Caso fiques sem pagar PSPlus um mês, não tens acesso a esses jogos mas quando voltares a activar, eles ficam de novo disponíveis. Os jogos que oferecem seguem uma linha de um jogo mais "mainstream" e outro(s) mais indie mas não tem propriamente uma regra.
  10. Os votos das casas são uma abominação. A única forma de eles fazerem sentido seria ser obrigatória uma votação prévia entre os sócios das casas porque existem bastante benfiquistas que preferem ser sócios apenas da casa porque lhes permite maior facilidade de deslocação ao estádio. E mesmo assim não concordo totalmente. A limitação de mandatos sinceramente tanto me faz. Não vai alterar nada porque haverão sempre listas de continuidade em que só muda o rosto da direção. O voto electrónico por si só não me chateia assim tanto, facilita na rapidez dos resultados. Precisa é de ser devidamente auditado e os votos físicos devem ser sempre feitos também e, obrigatoriamente, contados caso qualquer sócio tenha dúvidas acerca do resultado.
  11. O pc vai sempre ter uma versatilidade maior mas actualmente só sinto necessidade de o usar para gaming para FPS e MOBA, tudo o resto prefiro a consola pela comodidade. Não tivessem acabado com o Paragon e acho que nem ligava o computador depois do trabalho!
  12. Mais ou menos também, porque para correres jogos da mesma forma que a PS5 durante 4-5 anos vais ter de ir fazendo upgrades ao computador para teres uma boa performance enquanto que a consola te "garante" essa performance durante esses mesmos anos - ainda que não seja uma super performance como exemplificaste. Aqui sou um pouco parcial e obviamente depende do tipo de pessoa. Eu próprio gastei 1500+€ num computador fixo há cerca de 3 anos e sinto que não lhe dou o devido uso porque a maioria das vezes, depois de um dia de trabalho, quero é estar sentado no sofá a jogar com um comando. Uma vez mais, depende do jogador mas a nível monetário penso que a consola acaba sempre por ser o melhor investimento qualidade-preço no imediato. Também não descuro que alguém experiente a mexer em hardware, consiga ir fazendo esta manutenção a preços modestos mas isso também já exige depois algum conhecimento mais profundo.
  13. Juro que estou com boa vontade mas não consigo concordar. O que eu menos concordo é com o estatuto de sócio correspondente mas sendo ele uma realidade acho que tem de haver diferenças sim. Não concordo que um correspondente não possa ter mais de 20 votos nem que nunca seja elegível para presidente mas total igualdade na progressão é algo que também me faria alguma confusão. Um sócio efectivo que não usufruisse de vantagens iria obviamente tornar-se correspondente. Por isso é que o que eu defendo é acabar com os dois escalões e não iguala-los quando eles partem de uma premissa diferente.
  14. Acho que se pensares duas vezes percebes que não é de ti que estamos a falar. Estamos a falar de sócios em geral. Se há uma diferença de metade numa anualidade, não se pode pedir que depois seja tudo igual. O que poderá estar aqui mal é mesmo a base de haver dois escalões diferentes de sócio, se calhar.
  15. Esta igualdade de direitos levaria também a uma igualdade de deveres? Contra mim falo que sou sócio correspondente, mas a carga no orçamento de ser sócio efectivo é bem maior, tem de haver alguma distinção. Acho é que o sócio correspondente deveria sempre ter possibilidade de chegar ao número máximo de votos, nem que fossem precisos "100 anos" de sócio. Estar para sempre preso nos 20 não faz muito sentido para mim.
×
×
  • Criar Novo...