Ir para conteúdo

challenger

Membro da Comunidade
  • Total de itens

    1.615
  • Registo em

  • Última visita

  • Pontos

    1,577 [ Doar pontos ]

Últimos Visitantes

1.477 visualizações
  1. Eu trabalho numa área da metalomecânica e numa zona com muitas empresas de metalomecânica e isso é verdade para algumas empresas. Noutras não é bem assim. E muitas vezes pagam-se bons salários mas é se já incluíres subsídios de turno, horas extras e etc. Ou então como numa fábrica de fabrico de perfis de aço que há aqui na zona onde és capaz de ganhar 1200-1400€, mas é com subsidio de turno e algumas horas extras e ainda te arriscas a ficar sem dedos ou um bocado da perna que o aço passa - te a em chama a 1 ou 2 metros de ti. De qualquer das formas eu estava-me mais a referir aos sectores da hotelaria, restauração, construção civil, agricultura, que têm sido os mais vocais nessas críticas.
  2. Estamos com uma taxa de desemprego baixa, com diversos sectores que dizem que têm falta de trabalhadores (embora tenham falta porque lhes querem pagar pouco) , excelente oportunidade para tentar fazer subir salários acabando com empresas "zombie" que não conseguem suportar aumentos do salário mínimo. Com este "apoio" o que se vai fazer é com que maior parte deste apoio seja dado a empresas que podem suportar perfeitamente este aumento (ver sempre as grandes cadeias de distribuição) e com que muitas das empresas mais pequenas onde esse apoio poderia ser mais útil a não conseguirem obtê-lo como já li referências relativamente ao apoio idêntico que houve o ano passado. Para além de retirar o incentivo a uma melhor gestão, a incrementos de produtividade, etc. Se o governo cobre o aumento porque é que eu me vou preocupar em fazer a empresa ser mais produtiva para pagar melhores salários? Isto para além da total inversão da lógica que é estar a subsidiar empresas que pagam o salário mínimo ao invés de apoiar empresas que pagam salários acima da média com contratos estáveis e com potencial de crescimento. Isto num país em que uma grande percentagem dos trabalhadores ganham este salário mínimo ou próximo e em que o salário médio se aproxima do mínimo a uma velocidade assustadora. Basicamente está tudo errado. Mas isto sou eu que pronto não sou formado em gestão e mando as minhas 2 postas de pescada.
  3. A normalidade com que se encara isto.
  4. Assustador. Fica também a versão mais longa do vídeo do Marecos:
  5. Ya deve ser só nos aeroportos. As companhias devem andar a desleixar-se no pedido do certificado para embarcar. Viajei a semana passada e no voo de ida não me pediram certificado digital nem a embarcar nem à saída. No voo de regresso pediram-me no embarque.
  6. Já vou a mais de metade da série e estou a curtir bastante, esperava pior principalmente na interpretação dos actores. Só ali no 1° episódio achei que no diálogo quando o mano chega ao RARET estavam os 2 pouco à vontade. Em Portugal não é hábito diálogos enquanto estão a andar ou a fazer outra tarefa. Mas com o avançar da série fica muito melhor. Em termos de fotografia e realização está bastante bom. E estou a achar a história bem contada e bastante sólida.
  7. Uma das lojas aqui da zona que costuma ter bons preços aqui na zona em produtos de higiene é uma pequena cadeia de artigos de utilidades. Alguns produtos até costumam vir com uma etiqueta de papel colada, por exemplo nas latas de desodorizante, com as informações do produto em português (porque o produto não foi produzido para distribuição no mercado português). Não sei até que ponto essa malta não vai à Alemanha ou outro país comprar a esses preços (ou mais baixos porque compram em quantidade) para depois revender em Portugal.
  8. Por acaso costumo ir a algumas mercearias aqui da zona e por vezes encontro bons preços nesses produtos (e noutros), mas quase nunca com regularidade ou com a linearidade que vi lá.
  9. Esta semana estive no Luxemburgo e dei um salto à Alemanha para ir fazer umas compras. Um gajo entra na dm (cadeia de drogarias) e verifica que é assaltado à mão armada quando vai às compras em Portugal. Produtos de higiene, limpeza e cremes tudo bem mais barato que cá em Portugal. Por exemplo, a Maria trouxe um creme da Neutrogena, que costuma usar, a metade do preço que cá. Outros exemplos, Pasta de dentes da Colgate a 0,80€, uma embalagem gigante de Fairy a 1,5€, desodorizante da dove que cá se compram em promoção a 2,30€ ou 2,40€, lá custa 1,65€.
  10. Acho que a investigação do Pedro Coelho foi em conjunto com esta malta.
  11. challenger

    Carros

    Caixa manual ou automática? Ando a ver um de 2018 com caixa automática. Pelo que li a caixa automática destes Tipo é boa.
  12. challenger

    Carros

    Estou para trocar de carro e ando a ver as Fiat Tipo 1.6 Multijet 120cv. Opiniões sobre o motor? Há relatos de um consumo de óleo anormal? Tenho uma amigo cuja empresa onde trabalha tem uma frota de Fiat doblo com motores 1.3, 1.6 e 2.2 e diz que todos os motores bebem muito óleo. No entanto não encontro relatos sobre um consumo excessivo de óleo nos 1.6, por isso desconfio do relato. Também poderá ter a ver com andarem sempre a fundo e não terem cuidado de nenhum na forma como andam com as carrinhas.
  13. Este tópico está protegido por uma palavra-passe!
    Deverá introduzir a palavra-passe correta para desbloquear o tópico. Por favor certifique-se que tem a funcionalidade de cookies seguros ativa no seu browser.
×
×
  • Criar Novo...